Sem reduzir o número de carros nas ruas, pensar no pedestre e melhorar o transporte coletivo, é impossível ter uma cidade mais sustentável, mais acolhedora, mais humana.

As regras que hoje permitem o funcionamento de aplicativos de transportes em São Paulo, como sistemas de compartilhamento de carros e bicicletas, e as plataformas de carona, são resultado de uma briga que o vereador Police Neto enfrenta há cinco anos.

O objetivo sempre foi garantir melhores serviços para a população e soluções inteligentes para se deslocar na cidade, reduzindo os congestionamentos e a poluição e melhorando a qualidade de vida na capital.

Em 2013, Police começou a trabalhar para que o Plano Diretor autorizasse a operação de serviços de transporte por aplicativos. Em 2014, a lei que orienta o desenvolvimento da cidade tratou dessa mudança.

Em 2015, o vereador apresentou projeto de lei que dizia como os aplicativos deveriam funcionar.

Police enfrentou muitos protestos, ameaças de taxistas e foi o único a votar contra a proibição. O serviço chegou a ser vetado, mas a prefeitura teve de voltar atrás, até que, em 2016, foi autorizado com normas inspiradas nas propostas do vereador.

Nos anos seguintes, após uma longa discussão, o Congresso criou uma lei nacional e deu autonomia para que cada cidade criasse suas normas.

Em São Paulo, há diversos sistemas em funcionamento para carros e bicicletas, e os serviços de carona chegaram para ficar. Compartilhando chegamos mais longe.

Postagens Recentes

Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar