O primeiro projeto de lei protocolado na Câmara Municipal este ano cria normas para o funcionamento de serviços de compartilhamento de patinetes elétricos e outros meios de transporte individual voltados para curtas e médias distâncias, com baixa ou nenhuma emissão de poluentes. Há cerca de dois meses, serviços do gênero já funcionam com sucesso na cidade e surgem como alternativa eficaz ao trânsito carregado da capital, somados à oferta crescente de bicicletas compartilhadas com e sem estação para retirada e estacionamento. Apresentada pelo vereador José Police Neto, a proposta organiza o Sistema de Micromobilidade Compartilhada (SMC) em São Paulo e determina diretrizes para estimular o desenvolvimento de uma Rede Integrada de Micromobilidade (RIM).

O objetivo do projeto é organizar esses serviços de compartilhamento, de modo a evitar problemas já registrados em outras metrópoles, como o acúmulo de equipamentos largados no meio da calçada, atrapalhando a circulação de pedestres, e acidentes provocados por trafegar em local inapropriado. Ao mesmo tempo, a regulamentação dá segurança jurídica para a operação, abrindo espaço para novos investimentos e melhorias para a mobilidade como um todo em São Paulo.

“A combinação de diferentes meios de transporte e a aposta na micromobilidade – o veículo individual adequado para distâncias menores, que complementa as viagens em modais de alta capacidade, como metrô e ônibus – é uma tendência mundial para melhorar os deslocamentos, aliviar os congestionamentos e combater a poluição”, diz Police. “O projeto de lei se antecipa a problemas que outros grandes centros urbanos dos Estados Unidos e da China, por exemplo, já enfrentam.”

Hoje, os serviços de patinete elétrico operam com base numa resolução do Conselho Nacional de Trânsito (no. 465 de 27 de novembro de 2013) e das regras aplicadas pela Prefeitura para o compartilhamento de bicicletas. O vereador atua na construção dessas normas já há alguns anos, em especial na criação do modelo de operadoras de tecnologia de transporte credenciado que permite a concorrência entre diferentes prestadoras de serviço, favorecendo o usuário. O primeiro marco do sistema de compartilhamento de bicicletas foi o decreto 57.889, de setembro de 2017, assinado pelo então prefeito João Doria. O projeto de lei apresentado agora pelo parlamentar contempla a regulação anterior e vai além, reunindo todos os serviços voltados para a micromobilidade e estimulando a ampliação desse sistema e sua integração aos meios de transporte tradicionais.

O PL 01/2019 autoriza o Poder Público, por exemplo, a criar convênios público-privados para melhorar e ampliar a infraestrutura urbana de apoio à micromobilidade, podendo contar com investimentos das próprias operadoras para isso. Também deixa clara a proibição para que patinetes ou outros meios classificados como micromodais sejam estacionados nas faixas livres das calçadas, onde deve circular exclusivamente o pedestre. Em resumo, a proposta dá a base de diretrizes para que a Secretaria de Mobilidade e Transportes, por meio do Conselho Municipal do Uso do Viário (CMUV) faça o detalhamento das regras para a operação desses serviços, prevendo inclusive que o município receba contrapartida pelo uso comercial do espaço urbano.

O projeto nasce de um longo debate com especialistas, programadores, agentes públicos e a própria iniciativa privada. “Quase 60% de todas as viagens realizadas na cidade dizem respeito a curtas distâncias e poderiam ser realizadas com micromodais, como patinetes e bicicletas elétricas. Mas, hoje, esses modais, em especial as bicicletas, não respondem nem por 2% dos deslocamentos”, explica Police. “São Paulo tem um enorme potencial a ser explorado nessa área, melhorando a mobilidade como um todo e diminuindo os impactos negativos para a cidade, como a emissão de poluentes.”

Mostrando 4 comentários
  • Octavio P Nogueira
    Responder

    Você sempre teve minha admiração… Teve, porque não tem mais!!!

  • Thiago Luz
    Responder

    Parabéns Vereador Police Neto, sempre pioneiro e visionário quanto a mobilidade na cidade de São Paulo.

  • Marcos
    Responder

    Caro Vereador, existe estações para os patinetes nos canteiros da av faria Lima ( por exemplo) , como as estações das bikes do Itaú , nas vias públicas .aonde seriam vagas para estacionar veículos. Estas estações , no meu entendimento , Tem que pagar uma taxa para usarem estes espaços , já que as mesmas cobram por seus serviços .Existe a cobrança desta taxa pela ocupação e exploração dos espaços públicos?
    Estas empresas têm licença para colocar estações nestes espaços?( ruas , canteiros e outros.)
    Quem fiscaliza esta modalidade?
    Fico no aguardo de um retorno.
    Obrigado.
    Att
    Marcos

    • Vereador Police Neto
      Responder

      Olá, Marcos! Existe sim uma taxa para explorar esse espaço público. Um dos interesses da regulamentação é organizar e trazer mais investimentos para a criação de pontos de estacionamento e para a melhora da nossa infraestrutura. Assim haverão cada vez menos casos de patinetes e bicicletas no meio de calçadas, atrapalhando os pedestres, além de evitar outros problemas que possam interferir no uso desses novos modais de maneira agradável para todos. Abraços!

Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar