O secretário de Mobilidade e Transportes, Sérgio Avelleda, anunciou nesta sexta-feira (6/4) que vai regulamentar nos próximos dias o Programa Bike SP, lei de autoria do vereador Police Neto que incentiva o uso da bicicleta como modal mais integrado ao sistema de transporte coletivo da cidade. A lei prevê a transferência do subsídio que seria pago pelo poder público às empresas de transporte coletivo, por viagem, para quem trocar o ônibus pela bicicleta. Parte desse subsídio será transformado em créditos que o ciclista poderá utilizar na aquisição de bens e serviços, pagamento de impostos e serviços de utilidade pública. São cerca de 80 a 120 reais por mês para o usuário de transporte coletivo que migrar para a bicicleta, sem que a Prefeitura gaste um centavo à mais por isso. “O Bike SP vai permitir aos usuários trocarem o transporte público pela bicicleta e participarem da economia que a cidade vai ter”, disse o secretário Avelleda.
O Programa Bike SP vai inovar e atrair novos ciclistas às ruas somado ao novo sistema de compartilhamento de bicicletas, criado também em parceria com o gabinete do vereador Police Neto e lançado na sede da Prefeitura nesta sexta-feira. O sistema de compartilhamento prevê que cada uma das quatro empresas credenciadas ofereça 20 mil bikes já no primeiro semestre. Parte dessas 80 mil bicicletas estarão disponíveis por meio do sistema conhecido como dockless, sem estações, de forma que o usuário possa pegar e deixar a bicicleta praticamente em qualquer lugar ¬– desde que adequado e reconhecido pela operadora através de georeferência. O usuário vai ter acesso ao serviço por meio do aplicativo de cada empresa (Mobike, Settel, Yellow e Trunfo) e pagar por ele com cartão de crédito. No futuro, a ideia é que as empresas possam aceitar também o Bilhete Único, e, de acordo com as regras determinadas pela Prefeitura, cada viagem não poderá custar mais de R$ 8, o equivalente a duas passagens de ônibus.
A contribuição do mandato de Police Neto na construção do novo sistema foi essencial para garantir a concorrência – que pode baratear o serviço para o usuário ¬- e rapidez na implantação. Em menos de um ano, mais de 2 milhões de viagens de bicicleta por dia devem ser realizadas dentro desse sistema, que entra em operação em breve. “Se você não constrói uma legislação sólida, dificilmente consegue atrair investidores internacionais para trazer a tecnologia que já está espalhada no mundo”, diz Police Neto.
Ao final do lançamento do sistema de compartilhamento, o prefeito João Doria lançou um desafio para que as empresas cadastradas inaugurem seus serviços no feriado de 1º de maio. “São Paulo já é a capital brasileira das bikes. Não interrompemos programas dos antecessores. Nós estimulamos e incentivamos, mas disciplinamos as ciclovias”, disse Doria, depois de elogiar a atuação de Police Neto.

Mostrando 2 comentários
  • PEDROALEXADRE
    Responder

    realmente,se todos administradores do pais pençace como jose pole neto o pais nao etaria na situaçao que estar hoje com falta de atendimento nos postos de saude hospitais as praças abandonadas{precipalmente no jardim rosinha morro doce sp}meio ambiente tambemtambem em fim tudo sem fiscalizaçao sem segurança.

  • Jairo Simões da Silva
    Responder

    Boa tarde. Acredito ser necessário a colocação de grades de proteção na ciclovia da avenida faria lima. Em certos trechos ficamos a menos de 1 metro de distancia dos carros que rodam na avenida. Qualquer discuido a pessoa pode cair da bike e rolar um metro e cair na avenida com os carros passando rapidamente. Por que não procurar as empresas que alugam as bikes (itaú e yellow) e eles ajudarem no custo desta colocação de gradis como está em frente ao shopping Iguatemi por exemplo. Não podemos esperar que uma pessoa morra primeiro para tomar esta ação. Será com certeza uma grande obra do vereador Police netto.

Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar