Fé e política são dois elementos essenciais da vida social e a ligação entre ambas é tão profunda quanto intrincada. Infelizmente, esta conexão é muitas vezes distorcida até se transformar no avesso do que deveria ser, ou seja, não na materialização de uma política fundada nos valores espirituais, éticos e morais inspirados pela fé, mas em um esforço para conquistar a hegemonia política e aparelhar o Estado para atender a interesses sectários, negação da universalidade e justiça que a fé determina.
Mais do que análises conjunturais e disputas políticas, a Doutrina Social da Igreja estabelece linhas claras sobre como aqueles que a aceitam devem se conduzir na esfera política. Ao estabelecer um nível essencial da motivação, tanto da pureza de intenções quanto da crença profunda nos valores que considera fundamentais, ela oferece uma dimensão normativa das regras de equilíbrio necessárias à vida social e uma esfera deliberativa na qual se busca conscientizar as pessoas para obter respostas mais efetivas e aderentes aos valores da doutrina à realidade cotidiana.

A transformação da diretriz que estabelece a conexão essencial entre fé e política através da qual os valores da Revelação determinam parâmetros e recomendam ações voltadas para o atendimento das necessidades materiais e espirituais dos Homens em uma mera disputa por espaço e hegemonia entre variadas confissões, ou pior ainda, entre grupos políticos, é hoje um dos focos de uma batalha que, mais do que política, é espiritual.

A noção da “Civilização do Amor”, tal como a chamou Paulo VI, certamente não será encontrada nestas disputas por espaços políticos entre as confissões, porque a avaliação é pela aderência das políticas aplicadas aos fundamentos da fé, pelos resultados em consonância com os valores do Evangelho, não pela quantidade de cargos ocupados por esta ou por aquela confissão.

Tal visão nos traça algumas delimitações bem claras. A primeira delas é o respeito à condição essencial da dignidade humana que é o livre arbítrio. As tentativas de distorcer este elemento do divino no ser humano, conduzindo rebanhos a apoiar cegamente qualquer líder, ao invés de despertar consciências para a boa escolha compatível com os valores cristãos, jamais poderá produzir uma sociedade em conformidade com os valores da Doutrina Social da Igreja, pois viola seu princípio fundamental.

O segundo ponto é a necessidade de buscar na vida social e política, em especial no exercício de funções do Estado, a premissa de que as mínimas condições de dignidade do ser humano devem ser atendidas. Esta noção de que somos cada um, independente de qualquer condição, portador de direitos fundamentais inerentes a esta dignidade deve ser uma preocupação constante em um mundo no qual se tenta tanto relativizar esses direitos.

Esta noção implica em um duplo perigo a ser evitado. Por um lado é preciso ter a clara consciência de que é o mais pobre, o oprimido, o injustiçado, aqueles que estão à margem da sociedade os que mais precisam de políticas que lhes garantam o sustento, o mínimo para exercer com dignidade o dom da vida. Negar esta necessidade de inclusão e justiça social é negar um dos próprios fundamentos da crença na Doutrina Social da Igreja e os evangelhos.

Ao mesmo tempo, há o risco do perigo oposto, focar-se apenas nas necessidades materiais e deixar de lado aquilo que nutre o espírito. Neste ponto é necessário considerar a fé, mas também a cultura, a educação, enfim, todas as atividades que dão ao ser humano as condições para atingir todo o seu potencial como centro da Criação.

 

Nota do editor

O artigo em questão foi elaborado pelo vereador José Police Neto como contribuição ao debate durante o Encontro de Católicos com Responsabilidades Políticas a Serviço dos Povos da Região do Cone Sul, realizado entre os dias 10 e 12 de abril em Assunção, no Paraguai. A presença do parlamentar é resultado de indicação da CNBB para o evento, realizado pela Pontifícia Comissão para a América Latina e Conselho Episcopal Latino-Americano, conforme descrição do convite a seguir.

Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar